Arquitetas, designers e artistas plásticas influentes no cenário nacional e internacional

Arquitetas, designers e artistas plásticas influentes no cenário nacional e internacional

Carolina Bueno

Faz parte da nova geração de profissionais. A arquiteta é sócia-fundadora do escritório franco-brasileiro, o Triptyque Arquitetura, ao lado de três amigos, que conheceu na Escola de Belas Artes de Paris. A empresa se divide entre a capital francesa e São Paulo. Reconhecida por sua obra contemporânea e experiências na construção sustentável, foi convidada a realizar instalações e performances apresentadas na Bienal de Hong Kong/Shenzen; no museu Guggenheim de Nova York; no Festival of Architecoture e no Victoria & Albert Museum, em Londres, além de estar presente na coleção permanente do Centro Pompidou, em Paris.

 

Gae Aulenti (1927-2012)

Intitulada pela Academia de Artes de Brera como “A Dama da Arquitetura”, destacou-se nas áreas de arquitetura, design, cenografia, interiores, além de estudar edifícios históricos. Como designer, um dos primeiros projetos foi a cadeira Sgarsul, em 1962. Acumulou também diversas obras de museus, entre os quais o d’Orsay, de Paris; a Galeria de Arte Contemporânea, no Centro Pompidou, na mesma cidade; a restauração do Palácio Grassi, em Veneza e o Museu de Arte Asiática, em São Francisco. Aulenti  colaborou ainda com empresas de design, como Artemide, Fontana Arte, iGuzzini, Knoll, Martinelli Luce e Zanotta.

 

Janete Costa (1932-2008)

A arquiteta e designer pernambucana projetou bibliotecas, edifícios públicos, galerias, hotéis, prédios corporativos e residenciais, teatros, museus, e muitas outras tipologias de edificações. O objetivo sempre foi fazer com que a arte e o artesanato popular, assim como a arquitetura e o design, expressassem a identidade brasileira. Em projetos de interiores desenhava praticamente tudo, desde a cadeira à luminária, a partir de materiais como a madeira, o metal, o vidro, o mármore e as fibras naturais. Foi consultora de interiores em restaurações de sítios históricos, como o Teatro de São Luís; o Palácio dos Leões; o Solar do Jambeiro e a Igreja São Lourenço dos Índios, em Niterói.

 

Kazuyo Sejima

Depois de passar pelo escritório do arquiteto Toyo Ito, em 1987, abriu o próprio estúdio em Tóquio e, em 1992, foi nomeada pelo Japan Institute of Architects a "Jovem Arquiteta do Ano", no Japão. Além de sua terra natal, possui projetos em países como Alemanha, Espanha, França, Inglaterra e Estados Unidos. São de autoria de Kazuyo o Prédio da Christian Dior, em Tóquio; o Pavilhão de Vidro do Museu de Arte de Toledo; o Novo Museu de Arte Contemporânea, em Nova York. Também conquistou o Prêmio Pritzker, em 2010.

 

Lina Bo Bardi (1914-1992)

Pode ser considerada à frente de seu tempo, pois viveu em um período em que as mulheres não desfrutavam de tantos direitos. Além disso, tinha um modo de projetar desprovido de formalidade, o que não era comum à época. Nascida em Roma, na Itália, mudou-se para o Brasil em 1946. Um ano depois criou o Museu de Arte de São Paulo (MASP), que se tornou um dos mais importantes da América Latina. Outra obra emblemática foi a Casa de Vidro – morada da arquiteta por 40 anos. O SESC Pompeia também surgiu como grande desafio, quando Bo Bardi teve de transformar as instalações de uma antiga fábrica em um espaço de promoção cultural.

 

Marion Mahony Griffin (1871-1961)

Foi uma das primeiras mulheres a receber o título de arquiteta, após estudos no Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Trabalhou por 14 anos no escritório de Frank Lloyd Wright. Porém, um dos destaques na carreira foi projetar a nova capital da Austrália –Camberra – junto com Walter Burley Griffin, seu marido.

 

Olga krell (1935-2015)

Não poderia deixar de ser citada. Apesar da formação em arquitetura, sempre atuou como jornalista. A “dama da decoração”, como era chamada, teve como mestres, na Universidade de Cornell, os arquitetos Frank Lloyd Wright e Charles Eames. Na área editorial começou a carreira na Editora Abril, na cozinha experimental da revista CLAUDIA. Após lançar edições especiais sobre arquitetura e decoração, as leitoras tomaram gosto pelo assunto, até que mais tarde tornou-se diretora de redação da CASA CLAUDIA, que ajudou a criar. Assim como a amiga Janete Costa, foi grande incentivadora do artesanato brasileiro, mais especificamente advindos da feira de Caruaru (PE).

 

Rosa Kliass

Pioneira no paisagismo brasileiro, a   arquiteta recebeu vários prêmios nacionais e internacionais. Entre os projetos relevantes estão o Parque da Juventude; a reurbanização do Vale do Anhangabaú, junto com Jorge Wilheim; o Parque do Abaeté e o Parque de Esculturas do MAM-Bahia, em Salvador; o Parque Mangal das Garças e o Projeto Feliz Luzitânia, em Belém, entre muitos outros.

 

Tasila do Amaral (1886-1973)

Uma das maiores pintoras modernistas brasileiras, nos anos de 1920, em Paris – capital onde viveu por anos –, teve o privilégio de participar de toda efervescência cultural da época. De volta ao Brasil, a amiga Anita Malfatti a introduziu no Movimento Modernista. Suas telas sempre valorizaram o Brasil, a partir do uso de cores como amarelo, azul, rosa, entre outras. A obra mais conhecida de Tarsila é o Abaporu, que simbolizou um Movimento Antropofágico, cujo objetivo era engolir a cultura europeia.

 

Tomie Ohtake (1913-2015)

A artista plástica tornou-se uma espécie de embaixatriz das artes e da cultura no Brasil. Natural do Japão, começou a pintar aos 40 anos e provou que talento não tem a ver com idade. Destacou-se não só na pintura, como também na gravura e escultura. De 2009 a 2010, as esculturas da artista chegaram aos jardins do Museu de Arte Contemporânea de Tóquio, no Japão. A extensa trajetória de Tomie inclui a participação em 20 Bienais Internacionais, sendo seis em São Paulo – uma das quais recebeu o Prêmio Itamaraty. Também esteve na Bienal de Veneza, de Tóquio, de Havana, de Cuenca, entre outras. Contabilizou, ao todo, mais de 120 exposições individuais.

 

Zaha Hadid (1950-2016)

A arquiteta iraquiana, radicada em Londres, ficou conhecida por obras inovadoras, com formas orgânicas; reverenciadas por uns, criticada por outros. Primeira mulher a vencer o Prêmio Pritzker, considerado o "Nobel da arquitetura" (2004), além de ter recebido o Medalha de Ouro do British Architects Gold Medal (2016). Entre os principais projetos estão o Vitra Fire Station, na Alemanha; Maxxi (Museo Nazionale delle arti del XXI secolo), primeiro museu de arte contemporânea de Roma; Centro Aquático de Londres, desenhado para os Jogoótis Olímpicos no Brasil; Guangzhou Opera House, na China; entre muitos outros. Zaha também desenhou uma linha exótica de sapatos femininos.

 

 

 

 

 

 

 

Club&Casa Design

Por

Club&Casa Design

CLUB DE CARA NOVA

CLUB DE CARA NOVA

Club&Casa Design está com campanha muito mais vantajosa e personalizada para seus associadosVigente desde o fim de 2018, a nova campanha do Club&Casa Design traz muitas vantagens para quem é associado à pla...

Vasos sanitários integram design, tecnologia e sustentabilidade

Vasos sanitários integram design, tecnologia e sustentabilidade

    Ano a ano o segmento de louças sanitárias tem investido em design e tecnologia aliada à sustentabilidade. O mercado que antes possuía limitações na quantidade de peças, h...

Drywall compõe ambientes da Cidade das Artes, no Rio de Janeiro

Drywall compõe ambientes da Cidade das Artes, no Rio de Janeiro

    O complexo cultural Cidade das Artes, localizado na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, tornou-se uma das referências em obra pública da cidade. Seu desenho inovador foi idealizado pelo arquiteto francês...

Design com alma brasileira

Design com alma brasileira

              Fibra sintética e alumínio na fabricação de móveis para áreas externa e interna. Esta é a combinação que em 1989 deu...

Fibras sintéticas: belas e resistentes

Fibras sintéticas: belas e resistentes

    Por muito tempo os móveis e objetos fabricados com fibras se restringiram a casas de praia ou campo. Hoje é comum serem encontrados em residências urbanas, não só na versão natur...

OMA Galeria promove arte para todos

OMA Galeria promove arte para todos

    Primeiro espaço privado de artes visuais em São Bernardo do Campo, a OMA Galeria está sob os cuidados do galerista Thomaz Pacheco. Fundada em 2013, tornou-se referência na região, desta...